• POR HENRIQUE KOIFMAN (também publicado no blog da

Fuscão Sebastião // Sebastian Beetle


(see english version below)

Aí está a "edição comemorativa" do Fusca, especialmente concebida por este Dr. Rebimboca para o dia de hoje. Em vinte de janeiro de 1959, começava oficialmente a produção do Volkswagen Sedan em São Bernardo do Campo, São Paulo, Brasil. Em 20 de janeiro, pelo calendário católico comemora-se o dia de São Sebastião. A data do início da fabricação nacional acabou, mais recentemente, escolhida como Dia Nacional do Fusca (nome que o Sedan acabou ganhando em nossas terras). Já o Santo foi escolhido como padroeiro do Rio, ainda em 1565, ano de fundação da cidade que, por isso mesmo, tem por nome completo São Sebastião do Rio de Janeiro e incorporou seu dia ao calendário oficial.

Fuscarioca?

E o que tem o Fusca a ver com o Rio? Tudo, diria eu, desde as formas consonantes que sua carroceria tem, hum, com as do Pão de Açúcar à presença constante do carro, como figurante, em praticamente todas as fotografias que mostram as ruas da capital fluminense entre as décadas de 1960 e 1990. Isso e mais o jeitão descolado e falsamente modesto que modelo e figuras locais costumam ostentar e, o mais importante, o fato de ele ter sido o carro de minha infância e juventudes cariocas, claro.

O Fusca da foto é justamente o modelo 1959, com suas setas em formato de bananinhas embutidas nas colunas, motor de 1.200 cilindradas, primeira marcha não sincronizada (que lhe confere um ruído característico, rendendo-lhe o epíteto de chorão), tanque de gasolina maior (45 litros, contr 40 dos que viriam depois) e falta de mostrador - o controle era feito com uma vareta, enfiada diretamente no tanque pelo motorista, de vez em quando, para saber quanto combustível restava, e havia uma torneirinha, sob o painel, que abria a reserva de 5 litros, caso ele se distraísse e se esquecesse de abastecer. Isso e mais um monte de pequenos detalhes anacrônicos típicos dos carros daqueles tempos, ou até de antes, já que o projeto do pequeno

besouro é dos anos 1930.

A foto do Rio foi feita aqui da janela de nosso escritório, abençoada com uma das vistas mais bonitas do mundo.

Nostalgia em forma de oração

Olhando esse (com a devida licença poética) Fuscão Sebastião agora, me deu uma vontade danada de voltar a ter um carro desses na garagem, a despeito de todas as suas enormes limitações e defasagens. Nostalgia? Claro. E da cidade, que anda tão complicada por estes dias, também. Mas é para isso que servem essas efemérides. Comemoremos e tratemos de fazer com que a realidade fique mais parecida com os postais. Feliz dia do Fusca, São Sebastião. Amém.

English version:

Here is the "commemorative edition" of the #VW Beetle, specially designed by this Dr. Rebimboca (myself) for today. On January 20, 1959, the production of the Volkswagen Sedan officially began in São Bernardo do Campo, São Paulo, Brazil. On January 20, the Catholic calendar celebrates St. Sebastian's Day. The date of the beginning of the national production was, recently, chosen as National Fusca Day (nickname of the Beetle in our lands). The Saint was chosen as patron of Rio still in 1565, year of foundation of the city that, for that reason, has by its full name São Sebastião do Rio de Janeiro and incorporated its day to the official clty calendar. Fuscarioca?

The photo of Rio was taken here from our office window, blessed with one of the most beautiful views in the world. This Beetle of the photo is precisely the brazilian 1959 model, with its banana-shaped direction lights embedded in the columns, 1,200-cylinder engine, the first non-synchronized gear (which gives it a characteristic noise, yielding the epithet of "weeping") bigger gas tank (45 liters, insted the latter 40 liters), and no fuel indicator display - the control was done with a rod, tucked directly into the tank by the driver from time to time to find out how much fuel was left. This is a lot of little anachronistic details typical of the cars of those times, or even before, since the design of the small beetle is from the 1930s. And what does the Beetle have to do with Rio? Everything, I would say, from the consonance of his body's shapes with the Sugar Loaf ones, to the constant presence of the car as an extra, in virtually all the photographs that show the streets of Rio between the 1960s and 1990s .This and the manners and false modesty way that locals and the car usually boast and, most importantly, the fact that this was the car of my childhood and youths in Rio, of course. Nostalgic wishes

Looking at this (with the proper poetic license) Beetle Bastian now, I suddenly desired to have such a car back in the garage, in spite of all its enormous limitations and lags. Nostalgia? Of course. And the same about the city, which is so complicated these days, too. But that's what these ephemeris are for. Let's celebrate and try to make reality look more like postcards. Happy Fusca (Beetle) day San Sebastian. Amen.


0 visualização
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Clean Grey
  • LinkedIn Clean Grey

Rebimboca agência de comunicação e produção de conteúdo

Rio de Janeiro - Brasil

© 2020  Rebimboca Comunicação