top of page

Fuscas ainda são os maiorais na serra




Simples, (relativamente) baratos, robustos e com aptidão para caminhos ruins, antigos besouros rodam felizes em cidadezinha serrana – e rendem crônica pós-folia


Texto e fotos de Henrique Koifman




Já faz uns bons anos que, no Carnaval, enquanto meus amigos mais animados saem em blocos, escolas de samba e cordões, eu saio é da cidade. Nada contra a folia de Momo, que fique claro. Só não é a minha praia. Aliás, sou mais de montanha que de praia e, por isso mesmo, este ano, embarquei a família no carro que estou testando (um Chevrolet Tracker Midnight, mas isso é assunto para um próximo post) e pegamos as estradas para São Pedro da Serra, distrito de Nova Friburgo (RJ).


E lá, nas ruas e garagens, os carrinhos das fotos que você vê neste post ainda são bem numerosos. Proporcionalmente muito mais do que em nossas cidades grandes, com certeza. De "safras", cores e estados os mais variados, os Fuscas são personagens constante pelas ruas de paralelepípedos e estradinhas de terra (nem sempre em bom estado) e o som de seus motores refrigerados a ar é tão comum quanto o canto da siriema. Por que?




Resposta meio óbvia: o Volkswagen Sedã (seu nome original no Brasil, até os anos 1980, quando a VW assumiu o apelido como marca) foi produzido aos milhões por aqui. Sua primeira geração nacional surgiu em 1959, e o modelo foi fabricado até 1986 – retornando entre 1992 e 96. E uma parte considerável deles, algo que se estima em 2 milhões de unidades, ainda roda por aí. Embora atualmente até seja valorizado por colecionadores, com sorte, ainda é possível comprar um deles "funcionando" e legalizado por uns R$ 5 mil. E, a não ser por alguns detalhes de acambamento, é relativamente fácil se conseguir peças para mantê-lo em ordem, sem gastar muito. Com um pouquinho de conhecimento, o próprio dono pode cuidar da manuteção.



Além disso, não custa lembrar que o carrinho foi criado justamente com a capacidade de circular por qualquer tipo de estrada (e até fora delas). É leve, tem tração e peso concentrado na traseira, bom torque em baixas rotações e boa altura do solo. Com pneus apropriados, especialmente nas rodas de trás, vira quase um off-road. E como nesses cantos e recantos do Brasil a velocidade média não é das mais altas, o Fusca dá conta, tranquilo, Já para pegar uma rodovia com máximas acima dos 80 km/h já fica um pouco mais complicado. Com freios antiquados, instável em certas situações e com um projeto de construção que não contempla os conceitos de proteção para os ocupantes dos automóveis atuais, o que é charme em ruazinhas e caminhos de barro pode até virar risco de vida em estradas e vias expressas.



Fuscas mais recentes, com motor 1.600 são os mais comuns


Um detalhe que me chamou a atenção nos fuscas nesta ida à serra é a quantidade de modelos "mais novos" que estão rodando por lá. Especialmente a geração Itamar – foi no governo do ilustre mineiro, fã do carrinho, que o velho besouro renasceu (em 1993). É claro que, por serem mais recentes, a tendência é que ainda estejam em melhores condições de uso e, por isso, sejam mais procurados para o batente diário (e não apenas para curtição ou coleção). Mas esses últimos Fuscas são também carros sempre equipados com motor de 1.600 cilindradas e 65 cv, o mais potente de sua rajetória por aqui, o que certamente facilita seu uso nasquelas ladeiras ensaboadas. Além disso, esses carros já incorporam certas modernidades, como ignição eletrônica, cintos de segurança retráteis, pneus radiais e barras estabilizadoras na suspensão.





Independentemente da mecânica ou geração, acho que todos os Fuscas são fotogênicos (deu pra reparar pelas fotos?).






Commentaires


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page