top of page

Thiago Camilo volta ao pódio no Velocitta

Mogi Guaçu (SP), 4 de setembro – Depois de um sábado difícil, quando brigou muito para se classificar em 8º com um carro que saía de traseira e apresentava consumo excessivo de pneus, Thiago Camilo teve um domingo extremamente competitivo no Velocitta.


Muito provavelmente seria de novo o maior pontuador da etapa – como foi na anterior, em Interlagos -, não fosse um erro de Rubens Barrichello, que atingiu carro número 21 da Ipiranga Racing ao ser ultrapassado na disputa do 3º lugar, na corrida 2.


Na primeira corrida, Thiago Camilo partiu da 8ª posição e ao fim da primeira volta estava em 7º, na segunda volta em 6º, e quando abriu a janela de pit stops, na 7ª volta, já era o 4º colocado. Saiu do box, onde a equipe trocou apenas o pneu traseiro direito (o mais próximo aos mecânicos) e não reabasteceu, para ganhar tempo, e saiu meio segundo atrás de Allam Khodair, o 3º colocado, faltando nove minutos mais uma volta para a bandeira quadriculada.


Faltando cerca de cinco minutos para o fim da corrida, Camilo acionou o botão de ultrapassagem, mas Khodair sou se defender fazendo a mesma coisa, e quando os dois estavam no período em que não se pode acionar o botão, o piloto da Ipiranga Racing fez uma ‘ultrapassagem raiz’, assumindo o lugar no pódio, que teve como primeiro e segundo Felipe Lapenna e Bruno Baptista.



Na segunda corrida, com grid invertido em relação aos dez primeiros da primeira, Camilo largou em 8º e ao fim da primeira volta já estava em 4º. Novamente sem usar o botão de ultrapassagem, aproveitou um descuido de Rubens Barrichello, que tentava assumir a segunda posição. Mergulhou para cima do ex-piloto de Fórmula 1 e já tinha passado quando Rubinho atingiu a traseira do seu carro.

Com a batida, além de ter caído para a oitava posição, ficou com o carro desequilibrado. Reabasteceu no pit stop e perdeu mais algumas posições, voltando em 12º, e ainda conseguiu cruzar a linha de chegada em 11º.


“A equipe soube identificar e corrigir os problemas que sofremos nos treinos livres e na classificação e me deu um carro excelente. Consegui largar bem nas duas corridas, os pit stops foram irrepreensíveis, e certamente brigaria por um segundo pódio se o Rubens não tivesse me atingido. É uma pena não sair daqui com mais pontos, mas por outro lado a confiança para brigar pelas vitórias nas últimas etapas só aumenta”, disse Camilo, maior vencedor da Stock Car no Velocitta, com três triunfos.

Cesar Ramos teve um sábado um pouco melhor que o de Thiago Camilo. O piloto do Toyota número 30 da Ipiranga Racing classificou em 6º. Hoje, não encontrou um caminho à sua frente, ficou encaixotado e caiu para 15º logo na primeira volta.



Abasteceu bastante no pit stop e trocou o pneu traseiro esquerdo. Fez um segundo pit stop no fim da corrida e trocou os dois pneus do lado direito. Mesmo assim acabou a prova em 17º, numa estratégia para brigar por uma boa posição na segunda corrida.

Já estava em 10º quando abriu a janela de pit stops, trocou apenas o pneu traseiro direito, não reabasteceu, e quando ia para disputa das primeiras posições abandonou a corrida. “O motor já vinha com um barulho estranho, dando sinais de que alguma coisa estava errada, e entrou em modo de segurança. Nesse caso não há o que fazer. Vamos para a próxima”. Ricardo Mauricio venceu a corrida 2, com Julian Santero em segundo e Ricardo Zonta em terceiro. Gabriel Casagrande lidera o campeonato com 220 pontos. Thiago Camilo é o 7º com 162, e Cesar Ramos o 10º com 140.

Комментарии


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page